Infraero moraliza a empresa

Infraero reforça grupo de espionagem

Vasconcelo Quadros, Jornal do Brasil

BRASÍLIA – Há algo a mais no ar além de aviões de carreira e dos cargos tomados do PMDB na Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). O plano do presidente da estatal, brigadeiro Cleonilson Nicácio Silva, moraliza e profissionaliza o órgão, mas amplia a militarização do setor e consolida uma ousada máquina de espionagem que vem sendo azeitada nos últimos três anos e se destacou com mudanças radicais que, em abril, pegaram de surpresa os políticos da base aliada do presidente Lula e seus apadrinhados.

A nova ordem dentro da Infraero vem sendo dada por um órgão de nome pomposo, a Superintendência de Inteligência Empresarial, ocupada por oficiais e profissionais de inteligência, cuja atuação norteou a reforma administrativa que resultou na redução dos contratos especiais preenchidos por indicação política. No início de abril deste ano, a limpeza promovida pelo brigadeiro Nicácio Silva resultou na eliminação de 97 postos entregues a políticos num nicho conhecido por contratos especiais – caiu de 109 para 12 – e na substituição de mais de 90% dos demais cargos de confiança na chefia das 96 superintendências espalhadas pelo país – 25 delas na sede da empresa em Brasília, quatro regionais (São Paulo, Rio de Janeiro, Manaus e Recife) e 67 em aeroportos administrados pela Infraero nos Estados.

Aplaudidas pelos funcionários e bombardeado pelos políticos do governo, as mudanças foram pautadas pelo pente-fino dos agentes de inteligência – funções que maldosamente se habituou a tratar por arapongas –, que ganharam relevo na gestão do brigadeiro. Ele transformou em superintendência ligada diretamente a seu gabinete uma estrutura pelos antecessores como órgão de assessoramento.

O grupo é formado por oito profissionais, cinco deles dos quadros da Infraero e outros três contratados – originário da Força Aérea Brasileira (FAB) –, chefiados pelo coronel Hélcio Medeiros Ribeiro, oficial com experiência nas áreas de espionagem e contra espionagem e conhecido membro da “comunidade”, há dez anos lotado na Superintendência de Segurança Aeroportuária. No início deste ano, a Infraero juntou-se aos mais de 30 estatais federais que integram o Sistema Brasileiro de Inteligência (Sisbin), cujo órgão central vem a ser a Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Susto

É um salto necessário à atividade de inteligência numa área suscetível a ocorrências que vão do tráfico de drogas e corrupção ao terrorismo, mas um susto numa classe política que ainda vive a paranóia do período militar, onde a espionagem política era uma prática tão rotineira quanto o movimento nos saguões dos aeroportos. A presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Graziella Baggio, afirma que o reforço da estrutura de inteligência ilustra o fracasso do plano de desmilitarização da aviação civil, iniciado com a criação do Ministério da Defesa, em 1999.

– Os militares controlam o tráfego, a inteligência e todos os órgãos ligados à prevenção, administração e regulação do setor – diz Graziella. Ela acha que a militarização do setor, reforçada depois do apagão aéreo de 2007, é uma contradição do governo petista e um retrocesso no processo de desmilitarização do setor aéreo, para o qual o ministro Nelson Jobim, da Defesa, fechou os olhos para não se indispor com a tropa. Graziella acha que a presença do Nicácio Silva quebra o ritmo civil na administração da empresa, mas reconhece que a atuação do brigadeiro encontra ressonância entre os funcionários que, como ele, são nacionalistas (contra a privatização) e torcem o nariz para as ingerências políticas que resultaram em denúncias de corrupção e no cabide de empregos agora detonado.

–Ele aproveitou a onda pela ética e moralização. O poder militar na aviação civil aumentou porque representa uma carreira, reserva de mercado e controle ideológico – diz a presidente do Sindicato dos Aeronautas. Segundo ela, todos na aviação sabem que a Inteligência Empresarial espiona e foi o responsável pela produção de dossiês que, se de um lado escancarou supostos esquemas de corrupção, de outro afastou dos cargos de direção da empresa as indicações políticas. – O Carlos Wilson foi vítima e se queixava de não poder combater o grande poder militar dentro da Infraero.

Favorável à faxina que vem sendo feita na Infraero, o presidente do Sindicato Nacional dos Aeroportuários, Francisco Lemos, diz que tem notícias do reforço da inteligência desde o motim dos controladores de vôo, em 2007. – A gente ouve comentários (apontando) que a Inteligência Empresarial é o pessoal da escuta – diz Lemos


Recommended Posts

Start typing and press Enter to search