Peritos da Austrália apontam defeito grave em motor da Rolls-Royce em superjumbo

02/12/2010 – 21h59

Peritos da Austrália apontam defeito grave em motor da Rolls-Royce em superjumbo

DA ASSOCIATED PRESS

Investigadores australianos identificaram nesta quinta-feira a fonte de um vazamento de óleo que fez o motor de um avião explodir no ar no mês passado: a culpa seria de um defeito de fabricação do motor da Rolls-Royce.

Eles alertaram as companhias aéreas de que o defeito em potencial pode causar falha no motor.

Em 4 de novembro, um Airbus A380 da Qantas que ia a Sydney precisou retornar ao aeroporto de Cingapura ao sofrer uma explosão após pegar fogo um dos motores da fabricante britânica Rolls-Royce.

A aterrissagem de emergência não deixou feridos os 433 passageiros e 26 tripulantes que viajavam no avião.

Vivek Prakash/Reuters – 4.nov.10
Airbus A380 da empresa australiana Qantas em Cingapura, após sofrer mais grave acidente em três anos de voos

A Agência de Segurança dos Transportes Australiana (ATSB, na sigla em inglês) recomendou que as três companhias aéreas que usam motores Trent 900 da Rolls-Royce em seus aviões A380 realizem mais testes agora que a área problemática foi detectada, e que, a qualquer sinal de problema, os aviões devem ser retirados de uso. Três empresas –Qantas, Singapore Airlines e Lufthansa– têm um total de 20 aeronaves do tipo.

Alertas anteriores disseram que o vazamento de óleo foi causador de um incêndio e subsequente sério de falhas que fizeram várias partes pesadas se desprenderem do motor de um Airbus A380 da empresa Qantas, logo após a aeronave ter decolado de Cingapura em 4 de novembro. Foi o problema de segurança mais grave registrado no maior e maio novo superjumbo do mundo.

A ATSB comanda a investigação internacional sobre o incidente com o avião da Qantas. O órgão acrescentou nesta quinta-feira que a área de risco é uma parte de um tubo de óleo que liga as estruturas do motor resistentes a alta e média pressão.

“O problema está relacionado ao potencial para desalinhamento da rosca de encaixe do tubo de óleo, que poderia levar a falha por fadiga, vazamento de óleo e potencial falha de motor por incêndio”, disse a ATSB em curto comunicado. O órgão chamou o problema de “um potencial defeito de fabricação”.

A Rolls-Royce não comentou o caso nesta quinta-feira.

A Rolls-Royce não tem se manifestado sobre o assunto desde o incidente de novembro. As ações da empresa caíram 1,4% na primeira hora de negociação na Bolsa de Valores de Londres nesta quinta.

REVISÕES

As três companhias aéreas fizeram vários testes nos motoros Trent 900 e em partes modificadas seguindo diretrizes de 11 de novembro da Agência Europeia de Segurança de Aviação. A ordem era procurar por vazamentos de óleo na mesma parte do motor, mas não mencionou uma possível fonte para o problema.

Hoje, a agência disse não ter planos imediatos de mudar as diretrizes, após as novos recomendações da agência australiana.

JUSTIÇA

A Qantas disse ainda nesta quinta-feira que preencheu um pedido em uma corte federal que vai lhe permitir entrar com uma possível ação legal contra a Rolls-ROyce, caso não fique satisfeita com a indenização oferecida pela fabricante do motor.

“A ação de hoje permite à Quantas manter todas as opções disponíveis para a empresa recuperar suas perdas, como resultado da suspensão do uso do A380 e as restrições operacionais atualmente impostas aos serviços do A380”, disse a empresa em comunicado.

ENTENDA

Editoria de Arte/Folhapress
Recommended Posts

Start typing and press Enter to search