Dados de caixas-pretas do voo AF 447 foram recuperados, dizem investigadores franceses

16/05/2011 – 08h13
UOL

Dados de caixas-pretas do voo AF 447 foram recuperados, dizem investigadores franceses

Os dados das duas caixas-pretas do voo AF 447 da Air France, que caiu no Atlântico em 2009, foram preservados e puderam ser recuperados pelos investigadores franceses durante o fim de semana, anunciou nesta segunda-feira o Escritório de Investigações e Análises (BEA, na sigla em francês), que apura as causas do acidente.

As leituras permitiram recolher a integralidade dos dados contidos no gravador de parâmetros técnicos do voo, como também a integralidade das gravações sonoras das duas últimas horas do voo.

A expectativa é que a análise das informações explique as circunstâncias exatas do acidente com o avião que fazia a rota Rio-Paris quando caiu, em 31 de maio de 2009, matando as 228 pessoas a bordo.

Foto 17 de 20 – 12.mai.2011 – Uma das caixas-pretas do voo 447 da Air France é apresentada à imprensa durante entrevista coletiva em Paris Mais Charles Platiau/Reuters

Segundo um comunicado do BEA, a análise do material deve durar várias semanas. Um relatório será redigido e divulgado nos próximos meses.

As operações foram efetuadas na presença de uma equipe internacional de investigadores de acidentes aéreos, entre os quais dois brasileiros do Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos).

Limpeza e recuperação

No fim de semana, os investigadores limparam (retirando vestígios de sal) e secaram os cartões de memória internos das caixas-pretas.

Por se tratarem de provas em uma investigação judicial, a operação foi também acompanhada por um oficial da polícia judiciária francesa.

As duas caixas-pretas permaneceram durante quase dois anos submersas no Atlântico a 3,9 mil metros de profundidade. Elas chegaram na semana passada à França.

Uma das caixas-pretas contém os parâmetros técnicos do voo, como altitude e velocidade, e a segunda grava as conversas dos pilotos ou qualquer outro som emitido na cabine.

Os investigadores franceses também resgataram outras peças do Airbus da Air France, como parte da cabine de pilotagem, o joystick dos pilotos e seus assentos e também os calculadores do motor, que gravam inúmeros parâmetros “preciosos”, segundo o BEA.

O resgate de peças e eventualmente de corpos, se os testes para tentar extrair o DNA das duas vítimas já retiradas do mar forem positivos, deverá ser retomado por volta do dia 21 de maio

 

13/05/2011 – 10h58 / Atualizada 13/05/2011 – 17h56

UOL

Diálogos de pilotos do Airbus da Air France não serão divulgados, dizem autoridades francesas

Renata Giraldi
Da Agência Brasil
Em Brasília

As autoridades francesas anunciam na próxima segunda-feira (16) se existem condições de transcrever o que há nas caixas-pretas do Airbus da Air France que caiu no caminho entre o Rio e Paris, há quase dois anos. Porém, o diretor do BEA, o escritório de investigação francês, Jean Paul Troadec, afirmou de antemão que os diálogos envolvendo os pilotos não serão divulgados.

“As transcrições só virão a público, se as informações forem importantes para investigação”, disse. As informações são da emissora pública francesa, Rádio França Internacional (RFI).

Ontem (12) chegaram a Paris as duas caixas-pretas do avião que fazia o voo 447. O chefe da investigação, Alain Bouillard, afirmou que aparentemente o estado geral das caixas é bom. Uma das caixa-preta registra os parâmetros do voo e a outra os diálogos dos pilotos – esta segunda será submetidas a testes elétricos para verificar se é possível decodificá-los.

 

O sistema de memória das caixas-pretas será submetido a uma limpeza detalhada, envolvendo o uso de lupa microscópica para verificar se há pontos de corrosão ou fissuras. A análise só será feita se ela estiver totalmente intacta.

As investigações são acompanhadas pelo coronel brasileiro Luís Cláudio Lupoli, do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). Também integra a equipe do Brasil o major da Aeronáutica Sidney Silva.

Na próxima quarta-feira (18), serão divulgados os resultados das amostras recolhidas pelos peritos nos restos mortais das duas vítimas resgatadas, na semana passada. O diretor do Instituto de Pesquisas Criminais da França, coronel François Daoust, disse que se a identificação não for possível a equipe fará novas tentativas de resgate dos corpos.

De acordo com a perícia francesa, os restos mortais das vítimas incluem ossos como o fêmur, o que facilita a identificação. Em uma carta enviada às famílias, os juízes responsáveis pelo processo de homicídio culposo contra a Air France e a Airbus informaram que só serão resgatadas as vítimas que possam ser identificadas.

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search