Salão da Aeronáutica em Paris começa com mais de 200 aviões vendidos

Jornal do Brasil
20/06 às 16h24 – Atualizada em 20/06 às 16h29

Airbus gasta mais de 15 bilhões em compras no Salão da Aeronáutica em Paris
Empresa comprou mais 142 aeronaves. Veja a lista das compras
Agência AFP

Segue uma lista das encomendas dos fabricantes Airbus, Boeing, Embraer, Bombardier e ART, que somam bilhões de dólares no Salão de Aeronáutica de Le Bourget.

Os preços indicados são dos catálogos e em dólares, moeda de referência do comércio de aviões.

AIRBUS
– 60 A320 Neo com novos motores por a empresa de aluguel americana GECAS. O pedido soma 5,5 bilhões de dólares de acordo com o catálogo indicativo.

– 30 A320 Neo para a companhia aérea escandinava SAS (2,8 bilhões de dólares).

– 36 A320 Neo, 11 aviões de longas distâncias A330 e um A321 para a empresa de leasing ALC por 6 bilhões de dólares.

– Quatro aeronaves de longas distâncias A330-300 para a Saudi Arabian Airlines (800 milhões de dólares)

Total em encomendas da Airbus: 142 aviões – US$ 15,1 bilhões.

BOEING
– 14 aviões de médias distâncias B737-800 para a ALC por 1,1 bilhão de dólares.

– Dois grandes B747-8 para um comprador anônimo (635 milhões de dólares conforme os preços do catálogo). Outro comprador apresentou a opção por 15 aviões.

– Seis B777-300 ER de longas distâncias para a Qatar Airways por 1,7 bilhão de dólares.

Total de encomendas feitas à Boeing: 22 aeronaves – US$ 3,435 bilhões

EMBRAER
– 39 novos pedidos por aviões da família E-jets por um preço de catálogo de 1,7 bilhão de dólares

BOMBARDIER
– 10 CS100 por uma companhia que pediu anonimato por 616 milhões de dólares

ATR
– 15 ATR 72-600 vendidos para a empresa de aluguel GECAS por um 340 milhões de dólares, no preço do catálogo.

 

 

 


Jornal do Brasil
20/06 às 16h00 – Atualizada em 20/06 às 16h06

Salão da Aeronáutica em Paris começa com mais de 200 aviões vendidos
Agência AFP

O Salão da Aeronáutica Le Bourget inaugurou nesta segunda-feira a 49ª edição com o anúncio de mais de 200 aviões vendidos, sinalizando o crescimento do setor em países como China e México que tentam ganhar espaço entre as gigantes Airbus, Boeing e Embraer.

Nas primeiras horas do salão, aberto inicialmente apenas para profissionais, o fabricante europeu Airbus já havia recebido encomendas de 142 aeronaves, na maioria do tipo A320 Neo.

Esta nova versão conta com um novo motor, que economiza até 15% de combustível, e vem seduzindo as empresas de ‘leasing’ americanas GE Capital Aviation Services (GECAS) e Air Lease Corporation, que compraram 60 e 30 unidades respectivamente. A companhia aérea escandinava SAS também confirmou a compra de 30 exemplares deste mesmo modelo.

Ao todo, as encomendas da Airbus representam, de acordo com os preços de catálogo, mais de 15 bilhões de dólares (aproximadamente 10,4 bilhões de euros). No entanto, estes contratos são negociados caso a caso e o valor total não é divulgado.

A Boeing americana também recebeu pedidos de compra de cerca de 40 aviões. Entre eles, 22 encomendas que incluem seis aeronaves de longa distância 777-300 ER, adquiridas pela Qatar Airways por un preço de catálogo de 1,7 bilhão de dólares (cerca de 1,2 bilhão de euros).

“O mercado está se recuperando com força’, comentou Jim Albaugh, vice-presidente executivo da fabricante americana.

No céu, o balé aéreo começou com espetaculares e atrevidas manobras acrobáticas dos caças Rafale, que fizeram o show mesmo com a chuva.

Os dois maiores do setor, Airbus e Boeing, não estavam sozinhos. Além da Embraer, os canadenses e os chineses apresentaram novidades no Le Bourget.

A brasileira Embraer, terceira maior fabricante do mundo, anunciou 39 pedidos de aviões da família de E-Jets por um preço de catálogo de 1,7 bilhão de dólares.

“A única estratégia possível é superar o desafio da globalização sendo o mais inovador, mais criativo e mais competitivo’, afirmou Sarkozy.

A canadense Bombardier registrou encomendas de 10 aviões CS100 no valor de total de 616 milhões de dólares de uma companhia que pediu anonimato.

No entanto, foram os chineses que mais atrairam as atenções nesta segunda-feira. Os visitantes se aglomeravam ao redor da maquete do primeiro avião comercial chinês da história: o C919 do fabricante Comac.

“ê melhor que o 787’ da Boeing, garantia o guia a militares franceses que visitavam.

O C919, cujo primeiro voo está previsto para 2014, deve entrar em serviço em 2016 e é a prova de que a China quer entrar no mercado da aviação comercial.

“Não esperamos pedidos’, confirma um representante da Comac

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search