Gol pode aumentar pedido à Boeing após compra da Webjet

Estado de S.Paulo
11 de julho de 2011 | 13h 47

Gol pode aumentar pedido à Boeing após compra da Webjet
Segundo presidente-executivo da companhia aérea, Gol poderia renovar a frota da Webjet dentro de 18 a 24 meses
Reuters

SÃO PAULO – A Gol pode aumentar seu pedido de aviões à Boeing depois de ver aprovada a compra da rival de menor porte Webjet, afirmou o presidente-executivo da companhia aérea, Constantino de Oliveira Junior, nesta segunda-feira, 11.

Ele afirmou ainda que, uma vez concluída a aquisição, a Gol poderia renovar a frota da Webjet em 18 a 24 meses.

A compra da Webjet, quarta maior companhia aérea do Brasil em participação de mercado, foi anunciada pela Gol na sexta-feira por R$ 311 milhões, incluindo dívidas de cerca de R$ 200 milhões.

Com a Webjet, a Gol assume a liderança de participação em 8 das 10 principais rotas do Brasil, segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), e se aproxima da líder nacional TAM.

Entre os motivos citados por Constantino Junior para a aquisição está a frota da Webjet, composta por 24 jatos 737-300 da Boeing, modelo mais antigo que os 737-700 e 737-800 Next Generation operados pela Gol.

Segundo o presidente da Gol, isso deve simplificar a incorporação da operação da Webjet, não exigindo muito treinamento de pessoal, por exemplo.

“O plano é renovar a frota da Webjet com 737-700 e 800. Estamos imaginando que se o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e a Anac aprovassem hoje a operação, por exemplo, poderíamos renovar toda a frota em 18 a 24 meses”, disse o presidente da Gol em teleconferência com jornalistas.

Segundo ele, a companhia pode aumentar o pedido de aviões para a Boeing para tornar a frota da Webjet mais eficiente. Em 2010, a Gol encomendou até 30 jatos 737-800 NG com entregas previstas para entre 2014 e 2017.

“Tem a possibilidade de ampliar nosso pedido junto à Boeing”, disse Constantino. “A questão é que, se faço pedido hoje, a Boeing vai entregar em 2016, o que não resolveria o problema no curtíssimo prazo. Naturalmente, com uma frota maior, a tendência é que nós venhamos a ampliar também nosso pedido junto à Boeing para manter nossa frota jovem.”

Ele não comentou quantos aviões poderia adicionar ao pedido feito à fabricante norte-americana.

Além da encomenda adicional de aeronaves, a Gol trabalha com outras duas possibilidades: atualizar a frota da Webjet com renovação de alguns de seus contratos de leasing, mantendo os aviões da empresa e retornando apenas os 737-300, e buscar novos leasings operacionais de jatos.

Sinergias

A união de Gol e Webjet deve criar sinergias de R$ 100 milhões que poderiam ser capturadas dois anos após a aprovação do negócio por órgãos reguladores, disse o vice-presidente financeiro da empresa, Leonardo Pereira.

Segundo ele, os principais indicadores financeiros da Gol não devem ser alterados por ora. Até a aprovação da compra da Webjet, as empresas serão geridas de maneira separada.

Pereira afirmou que a dívida de cerca de R$ 200 milhões da Webjet tem vencimentos entre 2011 e 2015, e que a intenção da Gol é melhorar o perfil desse endividamento após a aprovação da compra por autoridades.

As ações da Gol recuavam 2,23% perto das 12h, a R$ 19,33 , contra queda de 1,55% do Ibovespa. Na sexta-feira, os papéis da companhia aérea tiveram valorização de 3,51%, diante da expectativa de que a compra da Webjet fosse anunciada após o pregão, o que se confirmou.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search