Gol reduz oferta de voos para tentar conter prejuízo

27/03/2012-11h37

Gol reduz oferta de voos para tentar conter prejuízo

MARIANA BARBOSA
FOLHA DE SÃO PAULO

A Gol reduziu em cerca de 8% a sua oferta de voos diários na tentativa de estancar o prejuízo na sua operação.

De acordo com dados do balanço divulgado nesta terça-feira, a empresa encerrou 2011 com prejuízo de R$ 710,4 milhões. No ano anterior, a empresa obteve lucro líquido de R$ 214,2 milhões.

Segundo a companhia, medidas recentes de aumento de preço de passagens para recompor alta de custos operacionais –que subiram 41%– estão tendo impacto na demanda, que já está menos aquecida do que no primeiro semestre do ano passado.

“O mercado hoje não tem o mesmo nível de estímulo e há uma dificuldade de repassar os custos para o preço das passagens”, afirmou Constantino de Oliveira Junior, presidente da Gol. “A redução da oferta é uma forma de minimizar o impacto negativo [da alta de preços] sobre a demanda.”

A empresa não revela quantos funcionários serão demitidos para adequar a companhia a essa nova oferta. A empresa iniciou um programa de demissão voluntária e, a depender da adesão, vai iniciar um processo de demissão obedecendo a critérios estabelecidos com o Sindicato Nacional dos Aeronautas.

A Folha apurou que o plano é demitir 120 pilotos, de um quadro de 1.800 aproximadamente.

A Gol vai receber quatro novas aeronaves neste ano, mas vai repassar dez para a Webjet, que por sua vez vai devolver para empresas de leasing outras dez aeronaves mais antigas.

A empresa diz que parou de vender assentos para os voos a serem interrompidos “há alguns meses”. Segundo Constantino, nenhum destino deixará de ser atendido. Serão cortados frequências e horários de menor demanda, sobretudo voos noturnos.

A empresa registrou uma receita líquida de R$ 7,539 bilhões em 2011, alta de 8% sobre 2010.

Depois de dois trimestres negativos, a empresa obteve lucro líquido no quarto trimestre, de R$ 54,3 milhões. O resultado foi 58,9% menor do que no mesmo período de 2010.

A empresa destaca que os custos operacionais subiram 41% no período, puxadas pela alta de 56,6% nos gastos com combustíveis, de 30% com funcionários e de 148% com material de manutenção.

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search