Gol suspende licença e inicia demissões

Valor Econômico
27/03/2012

Gol suspende licença e inicia demissões
Por Alberto Komatsu | De São Paulo

Depois de implementar um programa de licença não remunerada para pilotos e comissários (aeronautas) e abrir um processo de demissão voluntária, a Gol vai reduzir de quatro para três o número de comissários a bordo. Sindicalistas do setor aéreo têm duas avaliações sobre as recentes movimentações da empresa.

O diretor de segurança de voo do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Carlos Camacho, diz que a Gol estaria preparando uma transferência de tripulantes para a Webjet, que, em média, paga salários até 20% inferiores do que os da Gol. A compra da Webjet pela Gol, sob análise do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), foi anunciada em outubro. “Aparentemente, esse parece ser um movimento para que a Webjet absorva tripulantes da Gol, pagando salários menores. A lei dá prazo de seis meses para que isso aconteça entre empresas de um mesmo grupo econômico”, diz Camacho.

Clique na imagem para ampliar
Clique na imagem para ampliarGraziella Baggio, da direção do sindicato, diz que a Gol contratou mais do que poderia. Em janeiro, quando a demanda por voos domésticos cresceu 7,7% na comparação anual, o fluxo de passageiros da Gol recuou 1,7% e sua oferta aumentou 6,9%.

“A Gol errou a mão na contratação. Eles superdimensionaram o quadro de trabalhadores quando tiveram problemas com a escala de tripulantes”, diz Graziella. Ela se referiu a um problema com a escala de pilotos, em agosto de 2010, que acarretou em atrasos e cancelamento de voos em todo o país.

A Gol confirmou ontem planos de reduzir o número de comissários a bordo. Por meio de nota, informa que recebeu homologação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para operar com três comissários no 737-700, para cerca de 140 passageiros.

Em torno de 30% da frota combinada da Gol com a Webjet, ou 42 aviões, é composta por aeronaves desse tipo. A Gol não divulgou a data em que pretende fazer a redução de comissários. Segundo uma comissária da companhia, que pediu anonimato, a meta é fazer o corte em maio. Segundo essa fonte, adotar tripulações menores é uma das explicações para o processo de demissões que a Gol abriu na sexta-feira. Os funcionários que querem se desligar da Gol têm até o dia 29 para se manifestar.

Camacho diz que a Gol mantém, em média, seis grupos de tripulantes para cada avião de sua frota. Como a empresa tem 42 aviões 737-700, a redução de quatro para três comissários indica que o corte somaria 252 comissários. A ideia da empresa, para ele, é demitir esses funcionários e recontratá-los na Webjet.

Esse tipo de redução foi regulamentada pela Anac em meados de março de 2010. A agência informa que já aprovou redução na Webjet, para o avião 737-300, TAM (A319), e na Avianca (Fokker 100).

A Gol abriu na sexta-feira um processo de demissão voluntária, depois de não ter alcançado a adesão que gostaria em um programa de licença não remunerada para pilotos e comissários. Segundo o SNA, a companhia pretendia obter a adesão de 220 tripulantes, sendo 120 pilotos e 100 comissários.

O presidente do SNA, Gelson Fochesato, diz que os funcionários que aderiram a esse plano serão colocados em licença por um ano, sem garantia de estabilidade no retorno. O Ministério Público do Trabalho do Distrito Federal (MPT) viu irregularidades no programa de licenças e avalia o processo de demissões da companhia.

A Gol não informa a quantidade de demissões que pretende alcançar nem o nível de adesão obtido com o programa de licença não remunerada. “Esse é o problema da Gol, ela não é transparente”, afirma Fochesato. Desde o início do ano, a Gol acumula a demissão de 100 aeronautas. Segundo a companhia, trata-se de um “turnover natural”, diante do quadro de 6 mil tripulantes.

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search