Anac inicia auditoria na Trip por pouso de risco

O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2012 | 3h 09
Empresa é fiscalizada por usar técnica de aterrissagem considerada de risco sem autorização da agência; fiscais recomendaram afastamento de diretores
MARINA GAZZONI/SÃO PAULO,
GLAUBER GONÇALVES/RIO
O Estado de S.Paulo

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) iniciou ontem uma auditoria na companhia aérea regional Trip. A empresa está sendo investigada por usar um procedimento de pouso sem a autorização do órgão, desrespeitando as normas de segurança, conforme informou reportagem do ‘Estado’ na edição de sábado.

A auditoria faz parte da fiscalização de uma denúncia recebida pela Anac contra a Trip em maio, no mesmo mês em que a empresa anunciou sua fusão com a companhia aérea Azul. A Trip foi acusada de utilizar indevidamente uma técnica de aproximação chamada RNAV Approach, que permite que a empresa voe em alturas mais baixas e realize o pouso em condições meteorológicas mais adversas, guiada por GPS.

O procedimento só pode ser feito se a empresa tiver a certificação da Anac, o que a Trip não tem. A denúncia levou a Anac a abrir um processo administrativo contra a Trip em junho.

Segundo a Anac, a Trip é a única companhia aérea investigada por utilizar a técnica sem certificação. Após o fim do processo, a diretoria da Anac avaliará os relatórios técnicos e poderá impor sanções à empresa, afirmou o órgão em comunicado.

A Anac informou também que encaminhou o caso ao Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) em agosto. O Decea não se pronunciou sobre a questão.

Os pousos feitos com a técnica RNAV Approach só podem ser realizados em aeroportos homologados pelo Decea. Um dos alvos da investigação é apurar se a Trip utilizou esse procedimento em aeroportos nos quais a técnica não é permitida.

A Anac encontrou boletins informativos para pilotos sobre como realizar o pouso usando o procedimento em 16 aeroportos, sendo que em apenas um deles a técnica é aceita pelo Decea. A informação é de relatório técnico da Anac de 4 de setembro, ao qual o Estado teve acesso.

A recomendação de técnicos da Anac no documento é de que o caso seja encaminhado ao Ministério Público Federal e que os diretores de operações e segurança operacional da Trip sejam afastados. Segundo a Anac, as medidas não foram tomadas porque o processo ainda está em curso. A diretoria da agência poderá acatar ou não a recomendação dos fiscais ao final do processo.

A Trip disse ontem, em comunicado, que “está colaborando para que a Anac e demais autoridades aeronáuticas trabalhem com absoluto rigor e total transparência para fazer da aviação brasileira uma atividade cada vez mais segura”. “Por este motivo, a companhia reafirma sua total cooperação à auditoria”, disse a empresa.

Em entrevista ao Estado na sexta-feira, o presidente da Trip, José Mario Caprioli, admitiu que a empresa realizou pousos com a técnica RNAV Approach, mesmo sem a certificação da Anac. Ele ressaltou que a técnica é segura e que seu uso foi interrompido na quinta-feira após a notificação da Anac.

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search