Para reduzir barulho, helicópteros terão de voar mais alto em São Paulo

SÁBADO, 10 DE NOVEMBRO DE 2012

Excesso de ruídos em solo e segurança de voo obrigarão aeronaves a voar 61 metro acima do nível atual
Por razão de segurança, rota sobre a avenida Paulista será extinta e substituída por trajetos alternativos

DE SÃO PAULO 

Os helicópteros terão que sobrevoar a cidade de São Paulo a uma altura de aproximadamente 200 pés (61 metros) acima da atual a partir do dia 13 de dezembro.

A mudança foi determinada pelo SRPV-SP (Serviço Regional de Proteção ao Voo), órgão do Ministério da Aeronáutica, e tem como objetivo reduzir o barulho causado pelas aeronaves em solo.

De acordo com norma da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), o padrão de dia em áreas residenciais deve ser de 55 decibéis; um helicóptero produz barulho superior a 85.

A alteração também ocorre para aumentar a segurança operacional. A altitude atual foi instituída em 2005, mas, desde então, a cidade mudou. Com a construção de mais obstáculos como antenas e prédios, surgiu a necessidade de as aeronaves voarem mais alto.

Pelos mesmos motivos, foi determinada a extinção da rota que passava pela avenida Paulista. Para pousar nos helipontos dessa avenida, os pilotos terão que usar outras 23 rotas alternativas, como a que passa por cima da avenida Brasil.

A retirada dos sobrevoos de helicópteros pela Paulista também ocorre para aumentar a segurança no aeroporto de Congonhas, já que algumas rotas de aviões também passam por lá.

“As rotas também serão mais largas, seguindo o padrão internacional, o que vai permitir maior capacidade de fluxo”, diz Rodrigo Duarte, presidente da Associação Brasileira de Pilotos de Helicóptero. Ele afirma que a frota, hoje em 654 no Estado, deve continuar crescendo.

BAIRROS

Devem ser beneficiados com a maior altitude dos helicópteros moradores de bairros de perfil residencial como Lapa, Vila Romana e Morumbi, todos na zona oeste.

Também pode representar um alívio para os moradores do Alto da Lapa, também na zona oeste. No bairro não existe rota para helicópteros há anos, mas é comum que pilotos ainda usem o bairro para cortar caminho -o que é proibido.

As aeronaves devem usar as 23 chamadas Rotas Especiais de Helicópteros para trafegar pela cidade, e só estão autorizada a desviar delas em casos excepcionais.

São exemplos de situações que justificam o desvio as coberturas jornalísticas por emissoras de TV e a presença de urubus no trajeto.

“Acho a mudança ótima. Como morador, é uma coisa que sempre me incomodou. Agora, se há pilotos que não cumprem, deve haver fiscalização”, diz Renato Astray, que mora na Vila Pirajussara, ao lado do Instituto Butantan.

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search