Gol anuncia fim da Webjet e demite 850

O Globo
Sábado 24.11.2012
Toda a tripulação foi dispensada, e aviões serão devolvidos. Sindicato convoca greve para dezembro
DANIELLE NOGUEIRA
danielle.nogueira@oglobo.com.br

ALEXANDRE CASSIANO
<< Reação. Funcionários da Webjet fazem protesto
no Santos Dumont contra as demissões: 143 pilotos e
400 comissários foram dispensados

-RIO, SÃO PAULO E BRASÍLIA- A companhia aérea Gol anunciou ontem o fim das operações da Webjet e a demissão imediata de 850 funcionários da empresa, cuja compra foi aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) há um mês e meio. As dispensas compreendem toda a tripulação e pessoal de manutenção. Outros 200 empregados que estão de licença médica ou perto de se aposentar também serão demitidos nos próximos meses, após o período de transição para a integração das duas empresas. No fim das contas, apenas 450 dos 1.500 funcionários da Webjet serão incorporados aos quadros da Gol, ou 30% do total.

A Gol informou ainda que os 20 aviões da Webjet serão devolvidos. Desde de zero hora de ontem, nenhuma das seis aeronaves que ainda estavam em operação — o restante da frota já estava parada, sendo preparada para devolução — decolou. Os passageiros que voariam pela Webjet estão sendo realocados em voos da Gol, sem alteração de horário ou data e sem ônus.

O fim da marca Webjet estava previsto desde o anúncio da compra da empresa, em junho de 2011. Demissões também eram esperadas, mas não se sabia ao certo quantas pessoas seriam dispensadas. De acordo com o presidente da Gol, Paulo Kakinoff, a decisão de demitir a totalidade de tripulantes — são 143 comandantes e 400 comissários — e os funcionários de manutenção foi tomada porque a companhia não ficará com os aviões da Webjet.

— A Gol opera com o 737-800, que consome 30% menos combustível que o modelo da Webjet (737-300). Hoje, o combustível responde por 46% dos custos totais da Gol. Diante desse cenário, não faz sentido ficarmos com os 737-300. Por isso, os tripulantes e o pessoal de manutenção não serão absorvidos — disse Kakinoff em teleconferência com jornalistas.

GOL ASSEGURA QUE MANTERÁ VOOS
O aumento das despesas com combustível é apontado como uma das razões dos prejuízos bilionários das aéreas este ano. Os gastos da Gol com esse item cresceram 30,9% nos primeiros nove meses de 2012, em comparação com igual período de 2011, para R$ 2,8 bilhões. A aérea acumula prejuízo líquido de R$ 1bilhão este ano. Ontem, a ação preferencial (PN, sem direito a voto) da Gol teve alta de 1,86%, a R$ 9,86 na Bolsa de Valores de São Paulo.

Kakinoff assegurou que não haverá corte nas frequências (voo de ida e volta) da Webjet e que os 128 aviões da Gol conseguirão atender a demanda dos passageiros. Isso será possível, segundo ele, porque os 737-800 comportam mais passageiros (são 184 assentos) que os 737-300 (148 lugares). A tendência, diz, é que a taxa de ocupação dos voos da Gol suba. Hoje, a taxa média da companhia varia de 65% a 70%. Ele também disse não acreditar que perderá passageiros da Webjet para as concorrentes. Em outubro, Gol e Webjet responderam por 38,77% do “cado doméstico, atrás da TAM (41,3%).

No mesmo momento em que Kakinoff participava da teleconferência, a Webjet fazia reuniões com os funcionários nas suas cinco bases — Rio, Salvador, Porto Alegre, São Paulo e Belo Horizonte — para comunicá-los das demissões. Os empregados foram convocados no fim da noite de ontem , por email ou telefone.

MPT ESTUDA INTERVIR NAS DEMISSÕES
No Rio, sede da Webjet, as reuniões com os tripulantes ocorreram no Colégio Brasileiro de Cirurgiões, em Botafogo, e no Hotel Novo Mundo, no Flamengo. O encontro com o pessoal de manutenção foi no aeroporto Galeão. No Novo Mundo, os funcionários improvisaram um protesto, usando nariz de palhaço e chamando a Gol em coro de “covarde”. De lá, partiram para o Aeroporto Santos Dumont, onde fizeram nova manifestação.

Desde a aprovação da compra da Webjet pelo Cade, circulavam rumores de ocorreriam demissões. Nos últimos dias, os sinais ficaram mais fortes. A escala dos pilotos e comissários estava em branco a partir de ontem e muitos foram orientados a ficar em casa no último mês, recebendo apenas o saláriobase. A Webjet justificava a recomendação dizendo que essa leva de empregados seria a primeira a ser treinada para ser incorporada à Gol. Foram, na verdade, os primeiros a serem demitidos.

Indignado, o Sindicato Nacional dos Aeronautas anunciou que fará greve no início de dezembro. De acordo com seu presidente, Gelson Fochesato, a Gol havia garantido “que não ocorreriam demissões porque se trata de um processo de fusão entre as empresas”:

— Conversei com dirigentes da companhia na quarta-feira (ontem), por telefone, e tive essa garantia. A empresa agiu de má fé, mentiu para o sindicato e demitiu todos os pilotos e comissários na calada da noite.

O procurador-geral do Trabalho, Luís Camargo, afirmou ontem que o Ministério Público do Trabalho (MPT) estuda a possibilidade de intervir nas demissões. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) disse em nota que está acompanhando o processo de encerramento das operações da Webjet e que irá fiscalizar se a Gol está prestando a devida assistência aos passageiros.

Os 450 funcionários da Webjet que serão incorporados à Gol são profissionais que trabalham nos aeroportos, incluindo check-in. A Gol já tinha demitido cerca de dois mil funcionários no primeiro semestre do ano, devido à redução nos voos. A companhia terminará 2012 com 17 mil colaboradores, incluindo os funcionários que serão incorporados da Webjet. Em 2011, tinha 20 mil. (Colaboraram Roberta Scriavo, Geralda Doca e Daniel Haidar) l

O que muda

GALEÃO: O balcão de check-in da Webjet no terminal 2 será desativado. O atendimento será feito apenas no balcão da Gol, no terminal 1

GUARULHOS: O serviço de check-in da Webjet, que era no terminal 4, também será desativado. Os passageiros devem se dirigir para o terminal 2, onde fica o balcão da Gol

PASSAGENS: Quem comprou passagem da Webjet será realocado em voos da Gol, no mesmo horário e data, sem ônus. Segundo a Gol, os usuários com voos marcados pela Webjet para os próximos dias e meses devem entrar em contato pelo telefone 0300-115-2121 para a remarcação

FISCALIZAÇÃO: A Anac notificou a Gol e cobrou a apresentação de comprovantes de que os passageiros que compraram os bilhetes da Webjet estão sendo embarcados. Em caso de descumprimento das normas sobre assistência aos passageiros, a multa pode variar de R$ 4 mil a R$ 10 mil por infração

 


O Globo
Sábado 24.11.2012

Lágrimas e incerteza marcam despedida de funcionários
Com consolidação do setor, será difícil arrumar trabalho este ano

Os funcionários receberam a notícia das demissões com indignação. Muitos não esconderam as lágrimas e não alimentam a esperança de conseguir um novo emprego tão cedo, já que o setor passa por um processo de consolidação, e as aéreas já anunciaram corte de voos para este e o próximo ano. Só a Gol já anunciou que encerrará 2012 com uma edução de 4,5% na oferta.

As irmãs Desirée e Sara de Lima, de 28 anos e 20 anos, estavam entre os 850 demitidos ontem. Desirée foi da primeira turma de comissárias da Webjet. Sabe de cor a data de seu primeiro dia de trabalho: primeiro de março de 2005. Antes de entrar na Webjet, havia trabalhado como despachante na Varig e saíra pouco antes de a empresa falir.

Ela foi uma das comissárias que ficou à disposição da companhia, em casa, no último mês. A promessa era de que seria treinada para se unir à força de trabalho da Gol. Durante esse tempo, ganhou o salário-base da categoria, de R$ 1.300, bem abaixo dos R$ 3.500 que ganha por mês, em média.

— Me enganaram. Não tenho cabeça para pensar no que vou fazer agora. Meu pai está internado e vou voltar a atenção 100% para ele — disse ela, que divide um apartamento com a irmã, comissária da Webjet há dois anos.

A também comissária Priscilla Oliveira, de 24 anos, era uma das mais abaladas com a notícia. Aos prantos, abraçava os colegas de trabalho, que tentavam consolá-la:

— Era a melhor empresa para se trabalhar — repetia Priscila, há quatro anos na Webjet, seu primeiro emprego como comissária.

Para os mais velhos, recolocar-se no trabalho será tarefa ainda mais difícil. O piloto Luiz Amorim é um veterano na aviação. Por 22 anos, serviu à Varig e perdeu o emprego com a falência da empresa. Estava na Webjet há quatro anos porque sua aposentadoria não lhe permitia parar de trabalhar. Ganha R$ 2.500 por mês pelo INSS e R$ 405 mensais pelo Aerus, o fundo de aposentadoria complementar da Varig. Na Webjet, seu salário girava em torno de R$ 10 mil por mês.

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search