TAM e Gol pedem saída de aviação executiva de Congonhas para dar espaço a Azul

Folha de São Paulo
19/03/2013 – 18h54

MARIANA BARBOSA
DE SÃO PAULO

A TAM e a Gol defendem a retirada dos direitos de pouso e decolagem da aviação executiva para permitir a entrada da Azul e de companhias menores no aeroporto de Congonhas. Atualmente, o aeroporto opera com 34 pousos e decolagens por hora, sendo quatro dedicados à aviação executiva.

Eduardo Anizelli – 27.abr.12/Folhapress
12216130Passageiros na fila do atendimento
da TAM em Congonhas

A proposta já foi apresentada ao governo e seria uma alternativa para minimizar o impacto da nova política que está sendo desenhada em Brasília, de mudar as regras de distribuição de direitos de uso da infraestrutura –os chamados slots– para abrir espaço para a Azul.

Como o aeroporto opera no limite da capacidade, a ideia do governo é retirar horários de TAM e Gol para poder fazer a redistribuição.

“A gente não ganhou nada de graça, tudo foi conquistado”, afirmou o presidente da TAM, Marco Antonio Bologna, durante um seminário em São Paulo nesta terça-feira (19). “A intervenção prejudica as malhas já existentes e os investimentos que já foram feitos.”

A proposta do governo, que já foi posta em consulta pública, favorece a Azul mais do que qualquer outra empresa.

Mariana Barbosa/Folhapress
12270984Paulo Kakinoff, presidente da Gol, que
pede fim de horários da aviação executiva
de Congonhas para dar espaço à Azul

Outras companhias aéreas menores, como Avianca e Brava (ex-NHT, regional que opera no Sul do país), entendem que não serão beneficiadas se as medidas forem implementadas da forma como foram apresentadas pelo governo porque a redistribuição privilegia os maiores dentre os menores.

O governo já descartou uma outra sugestão das empresas aéreas, de aumentar a capacidade do aeroporto. O aeroporto já recebeu mais de 50 pousos e decolagens por hora. Desde o acidente com o Airbus da TAM, em 2007, a operação ficou restrita a 34 movimentos por hora.

RECEPÇÃO

Segundo o presidente da Gol, Paulo Kakinoff, a proposta de transferir os direitos da aviação executiva para os novos entrantes foi bem recebida pelo governo. “Tivemos um retorno do governo de que a proposta está sendo encaminhada para o controle de tráfego aéreo e para a Infraero”, disse o presidente da Gol.

Pela proposta, os aviões executivos continuarão podendo usar o aeroporto, mas sem um horário previamente definido.

“O desejo de abrir Congonhas é legitimo. Mas o estímulo à concorrência não pode desestimular as conquistas realizadas”, disse o presidente da Gol. “O crescimento do setor, de quatro vezes o PIB na última década, é fruto da concorrência e de investimetos que as companhias aéreas vêm fazendo.”

O diretor de marketing da Azul, Gianfranco Beting, afirmou que a empresa não quer só quatro slots por dia, mas que quatro por hora “já dá para ganhar dinheiro”.

“Com pelo menos quatro slots por hora, podemos fazer uma boa operação com os jatos da Embraer, mantendo o preço das passagens competitivo.”

Procurada, a Secretaria de Aviação Civil diz que recebeu a proposta das empresas e que ela será “devidamente analisada e respondida”.

Divulgação
12149451

Azul quer operar com aviões Embraer em Congonhas e ter pelo menos quatro slots por hora no aeroporto.

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search