Aéreas lutam para lotar voos internacionais

Jornal do Comércio – RS
17/06/2013

Número de passageiros está em queda neste ano, e empresas reduzem oferta para melhorar as taxas de ocupação
Economia

Depois de uma explosão de oferta de voos internacionais no Brasil na última década, as companhias aéreas começam a sentir dificuldades para decolar com as aeronaves cheias neste ano. O número de passageiros internacionais está em queda, e as empresas começaram a cortar seus voos, numa tentativa de melhorar as taxas de ocupação das suas aeronaves.

Em meados de maio, companhias brasileiras e estrangeiras ofereciam 1.112 voos semanais para o exterior, 8,4% menos do que no mesmo período do ano anterior, segundo levantamento feito pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O movimento interrompe um período de forte expansão da oferta de voos internacionais a partir do Brasil. Em 2003, partiam do País 552 voos semanais rumo ao exterior, número que praticamente dobrou em 10 anos e fechou o ano passado em 1.109.

“A valorização do dólar e a crise na Europa fizeram o mercado de voos internacionais crescer menos do que o previsto. Com o aumento da competição, isso trouxe um certo excesso de oferta em algumas rotas, principalmente na Europa”, destacou o consultor da Bain&Company, André Castellini.

Entre janeiro e abril deste ano, houve 6,47 milhões de embarques e desembarques de passageiros em viagens internacionais nos aeroportos brasileiros, número ligeiramente inferior aos 6,5 milhões de movimentos reportados no mesmo período de 2012, segundo dados da Infraero e das administradoras privadas. O movimento internacional vem desacelerando desde o ano passado, quando cresceu 3,9%, abaixo dos 13,9% de 2011.

O resultado disso são aeronaves voando mais vazias. As da TAM, por exemplo, decolaram nas rotas internacionais com 75,88% de ocupação entre janeiro a abril deste ano, ante 82,71% no mesmo período do ano passado, segundo dados da Anac. O mesmo ocorreu com a Gol: os aviões voaram ao exterior com 60,43% dos assentos ocupados no primeiro quadrimestre, ante 67% em igual período de 2012.

A redução do número de voos semanais reflete a tentativa das empresas de ganhar mais eficiência na operação, disse o diretor no Brasil da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês), Carlos Ebner. “Elas usam aeronaves maiores e reduzem a frequência. Isso pode até aumentar a oferta de assentos”, disse.

Foi exatamente o que fez a TAM, quando anunciou em maio que suspenderia os voos que partem do Galeão, no Rio, diretamente para Paris e Frankfurt. Ao mesmo tempo, anunciou que usará um avião maior para a mesma rota a partir do aeroporto de Guarulhos. Outra foram mais radicais. A israelense El Al, por exemplo, deixou o mercado brasileiro. Ela iniciou a rota São Paulo-Tel-Aviv em maio de 2009, mas interrompeu os voos em novembro de 2011.

Apesar do mercado mais frio, companhias estrangeiras continuam a chegar ao Brasil. A Etihad, dos Emirados Árabes Unidos, por exemplo, começou a voar neste mês. Ela e outras empresas tentam crescer no Brasil para ganhar uma posição relevante em um mercado importante para o transporte aéreo global.

Já a brasileira Gol pretende expandir sua oferta internacional, mesmo enxergando um excesso de voos em algumas rotas, disse em entrevista ao Estado, em maio, o presidente da Gol, Paulo Kakinoff. Segundo ele, a estratégia é evitar as rotas mais concorridas e crescer em voos em que há demanda com baixa competição, como para a América Central.

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search