Demanda recua e setor de aviação caminha para pior ano desde 2003

Folha de São Paulo
26/06/2013 – 03h00

MARIANA BARBOSA
DE SÃO PAULO

Depois de uma década de forte expansão, a demanda por viagens de avião no mercado doméstico deve encolher neste ano ou, nas previsões mais otimistas, ter um crescimento perto de zero.

De janeiro a maio, o mercado encolheu 0,43%, refletindo o baixo crescimento da economia e o enxugamento da oferta de assentos por parte das líderes TAM e Gol.

Aéreas reduzem voos e batem recorde de ocupação de aviões
Gol amplia sua meta de reduzir oferta de assentos em voos domésticos

A valorização do dólar -que subiu 9% desde o início do ano- será uma outra barreira para a recuperação, com impacto tanto na demanda por viagens internacionais como no desempenho do mercado doméstico.

“O câmbio tem impacto brutal na estrutura de custos das companhias, que compram aviões, peças e outros serviços em moeda estrangeira”, diz o consultor Lucas Arruda, da Lunica consultoria. “Não tem como não repassar o aumento para as tarifas.”

O setor é altamente sensível a preço e qualquer aumento afeta a demanda. E, como a demanda já está fraca, é cada vez mais difícil para as empresas repassar os custos para a passagem.

Editoria de Arte/Folhapress
13_06_26fsp001“Em condições normais, o setor poderia registrar crescimento de 4%, 5%, dado que a economia pode crescer 2% neste ano. Mas, com a redução da oferta de assentos e diante da necessidade de repassar o dólar para a tarifa, o mercado ficará estável ou poderá cair 1%, 2%”, afirma o consultor André Castellini, sócio da Bain&Co.

De janeiro a maio, a oferta de assentos no mercado doméstico encolheu 6,36%.

SEGUNDO SEMESTRE

Já Arruda acredita que o segundo semestre será melhor do que o primeiro, com Azul e Avianca puxando o crescimento da oferta.

“Mas, sem dúvida, o ano ficará abaixo de 2%, 3%”, diz ele, que no início do ano estimava alta de 5,5%.

Anteontem, a Gol anunciou um corte de mais 200 voos semanais, ampliando de 7% para 9% a redução na oferta de assentos neste ano. A empresa diz que nenhum destino será eliminado da malha, mas que haverá corte de frequências.

A TAM, que falava em cortar a oferta entre 5% e 7%, ainda não revisou o número.

“Mas, com a situação atual do câmbio, é possível que haja um ajuste no segundo semestre”, diz Daniel Levy, vice-presidente de finanças, para quem ainda não é hora de falar em reajuste de tarifas.

Levy diz que a empresa já sente uma maior cautela do consumidor na hora de comprar bilhetes internacionais.

Para Castellini, as companhias não têm mais gordura de eficiência para cortar.

“A única saída é reduzir a oferta e concentrar a operação em voos mais rentáveis.”

CENÁRIO DISTINTO

Juntas, TAM e Gol tiveram prejuízo de R$ 2,7 bilhões em 2012. Mas Castellini acredita que o cenário atual é bem distinto do de 2003, ano em que o setor encolheu 5,9% devido a problemas financeiros da Varig e da TAM.

Na época, o BNDES chegou a desenhar um plano de salvamento que levaria à fusão das duas empresas.

“Hoje há um colchão de segurança”, diz Castellini. “Não há crise de liquidez nas principais companhias. Não vejo um cenário de consolidação.”

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search