Embraer defende relações multilaterais e um Mercosul mais 'aberto'

O Estado de S.Paulo
18 de julho de 2013 | 12h 21

SUZANA INHESTA – Agencia Estado

SÃO BERNARDO DO CAMPO – O vice-presidente executivo de Pessoas, Relações Institucionais e Sustentabilidade da Embraer, Jackson Schneider, defendeu as relações multilaterais e um Mercosul mais “aberto” no âmbito do comércio global. Segundo ele, tanto o apoio do governo quanto os acordos comerciais são fundamentais para se ter um comércio mundial lógico, sem políticas predatórias.

“Nós, da Embraer, defendemos a busca pelo multilateralismo. O Estado deve apoiar as empresas no desenvolvimento tecnológico, temos que ter políticas industriais transparentes, esforços para a estruturação de fábricas, condições comerciais equitativas. Tudo isso precisa ser feito com negociações multilaterais. Se não ocorrer, a lógica do comércio mundial não existe e aquelas empresas ou países que têm mais condições vão ter sempre vantagens no comércio global”, afirmou o executivo, na “Conferência Nacional 2003-2013 – Uma Nova Política Externa”, promovida pela Universidade Federal do ABC.

Ele citou tanto o desenvolvimento de produtos realizados em cooperação com outros países como um avião de mais de 20 toneladas de carga em processo de fabricação em parceria com Argentina, Colômbia, Portugal e República Tcheca – e o apoio que a Embraer recebeu do governo brasileiro no contencioso na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra a Bombardier, em 1999.

Sobre o Mercosul, Schneider defendeu um bloco comercial mais “aberto”. “Eu vejo quase uma excludência do Mercosul em negociações comerciais no mundo. Eu não acho necessário. O Mercosul é uma história de sucesso, ainda tem pontos a serem melhorados, mas não necessariamente o Mercosul precisa ser fechado. Podemos ter mais diálogos multilaterais ou outras formas criativas de integração no comércio global, por exemplo por segmentos de mercados ou áreas de negócio”, declarou.

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search