Justiça começa a ouvir testemunhas do acidente da TAM

ZERO HORA
07/08/2013 | 04h37

Resultado do julgamento sobre a tragédia que matou 199 pessoas em São Paulo é esperado para o próximo ano

Começam a ser ouvidas hoje pela Justiça Federal as testemunhas do processo que julgará os acusados pelo acidente do voo 3054 da TAM, ocorrido no aeroporto de Congonhas em 2007. A ação penal tramita na 8ª Vara Criminal Federal de São Paulo, que aceitou, em 2011, a denúncia formulada pelo Ministério Público Federal (MPF).

Os acusados de crime de atentado contra a segurança do transporte aéreo na forma culposa (quando não há intenção) são a ex-diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Denise Abreu, o então vice-presidente de Operações da TAM, Alberto Fajerman, e o diretor de Segurança de Voo da TAM à época do acidente, Marco Aurélio dos Santos de Miranda e Castro.

Denise Abreu é apontada pelo MPF como corresponsável pelo acidente, por ter liberado a pista do aeroporto sem o serviço de grooving (ranhuras que facilitam a frenagem das aeronaves) ter sido executado. Castro e Fajerman deixaram, segundo o MPF, de seguir o manual de segurança de operações da companhia. De acordo com o MPF, eles “não providenciaram o redirecionamento necessário das aeronaves para outro aeroporto, mesmo após inúmeros avisos de que a pista principal estaria escorregadia, especialmente em dias de chuva”.

As oitivas das testemunhas serão divididas em datas diferentes. Além das audiências de hoje e amanhã, as demais estão marcadas para novembro e dezembro. Espera-se que o resultado do julgamento em primeira instância seja proferido em 2014.

O avião que fazia o voo 3054 teria derrapado quando pousava no aeroporto de Congonhas e bateu contra um depósito da empresa. O choque provocou um incêndio de grandes proporções. Morreram 199 pessoas, entre elas 93 gaúchos, entre passageiros, tripulação e pessoas que estavam em terra.

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search