Infraero terá aumento de capital de R$ 1,96 bilhão

O Estado de S.Paulo
SÁBADO, 8 DE MARÇO DE 2014

Renata Veríssimo /BRASÍLIA

Para garantir a realização de investimentos nos aeroportos, a Infraero terá um aumento de capital de R$ 1,96 bilhão. Os recursos virão dos cofres do Tesouro, segundo um decreto presidencial publicado ontem no Diário Oficial da União. No fim do ano passado, o presidente da empresa, Gustavo do Vale, antecipou o valor desse aporte ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado.

A decisão vai provocar impacto negativo no resultado fiscal do governo assim que a despesa for realizada. O Tesouro Nacional informou, no entanto, que o repasse dos recursos para a empresa já estava previsto no decreto de programação orçamentária divulgado no mês passado, que fixou em 1,9% do PIB a meta fiscal de 2014. A efetivação do aumento do capital social ocorrerá por meio de assembleia geral de acionistas.

Do total anunciado,R$1,6 bilhão será gasto em obras em aeroportos próprios e R$ 300 milhões para o capital das concessionárias dos aeroportos de Guarulhos, Campinas e Brasília, que foram privatizados. A Infraero tem uma participação de 49% nas Sociedades de Propósito Específico (SPEs) criadas para administrar os aeroportos após os leilões de outorga.

O aporte é necessário porque a empresa perdeu 37% da sua receita operacional com a privatização dos três aeroportos em 2012. No ano passado, a Infraero já recebeu uma transferência da União de R$ 2,2 bilhões. Segundo a empresa, eventualmente novos aportes podem ser autorizados ao longo deste ano.

Desequilíbrio. A Infraero diz que apenas em 2017 devem começar a chegar os dividendos da empresa na concessão do Aeroporto de Guarulhos. Mas os resultados de Viracopos e Brasília só devem ocorrer a partir de 2019 ou 2020. Por isso, há um desequilíbrio momentâneo nas contas da empresa, que terá de fazer desembolsos pesados por causa da participação nas concessões, mas ainda não começará a colher os dividendos relativos aos investimentos.

Os recursos que serão necessários para as concessionárias de Galeão (RJ) e Confins (MG) somente serão definidos após a assinatura dos contratos. A Infraero detém 49% de participação nas SPEs criadas para administrar os dois aeroportos. / COLABOROU SANDRA MANFRINI

Destinação
R$ 1,6 bilhão vão para aeroportos próprios
R$ 300 mi vão para os aeroportos de Guarulhos, Campinas e Brasília

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search