Aviação cresce na América do Sul, mas integração é baixa, diz BID

Mercado&Eventos
11/09 – 18:22

A América do Sul é uma das regiões do planeta com maior crescimento no transporte aéreo esperado para os próximos 20 anos. No entanto, o continente é pouco conectado, com oferta de assentos concentrada em apenas quatro empresas e poucos voos regulares fora das capitais. As conclusões são de um estudo do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) apresentado nesta quarta-feira durante reunião do Cosiplan, o Conselho de Infraestrutura e Planejamento da Unasul (União de Nações Sul-Americanas), no Rio de Janeiro.

O encontro, que vai até quinta-feira e reunirá representantes de todos os países sul-americanos, visa aprofundar as discussões sobre a situação da aviação regional na América do Sul, enfatizando a possibilidade de dar maior grau de liberdade para as rotas sub-regionais. A ideia é avaliar o cenário da integração aérea no continente, diagnosticar o sistema de aeroportos da região e retomar estratégias de conectividade que dependem de maior protagonismo dos governos nacionais.

“Desde a colonização ibérica, feita a partir do litoral, os países da América do Sul estão de costas uns para os outros. Mas o forte crescimento econômico, em especial no interior, tornou inadiável a necessidade de uma forte integração pelo modal aéreo, tanto de carga quanto de passageiros”, afirmou o ministro da Aviação Civil, Moreira Franco. Ele abriu o encontro do Cosiplan, juntamente com os ministros Miriam Belchior (Planejamento) e Luiz Alberto Figueiredo (Relações Exteriores).

Segundo o estudo do BID, a América Latina deverá responder, entre 2013 e 2032, por um aumento expressivo na demanda por transporte aéreo: o crescimento esperado é de 6,9% ao ano segundo a fabricante de aviões americana Boeing, o que torna a região o lugar do planeta onde o modal aéreo mais crescerá nesse período. Dados da europeia Airbus projetam o crescimento em 6%, atrás apenas do Oriente Médio. De qualquer forma, esse crescimento será maior do que a média global da última década – 4,6% ao ano. Somente entre 2007 e 2014, a oferta de assentos em vôos regionais na América do Sul cresceu de 16,4 milhões para 22,7 milhões.

Esse incremento vem na esteira do aumento do PIB da região e é fortemente influenciado pela explosão da demanda no Brasil. Em toda a América Latina, por exemplo, a rota que mais teve aumento percentual foi São Paulo-Fortaleza (11% entre 2002 e 2012), e o aeroporto que mais cresceu em movimentação foi Confins (37% no mesmo período).

Segundo o BID, porém, nem o tamanho do mercado, nem as mudanças regulatórias implantadas desde 2006, que abriram o mercado em vários países, têm bastado para impulsionar a conectividade aérea dentro da região. Expressivos custos aeroportuários, elevadas taxas de embarque internacional, altos custos de aquisição de combustível e a ausência de incentivos para a criação de rotas aéreas regionais são algumas dificuldades, além da baixa demanda de certas regiões, o que leva as maiores empresas – Latam, Avianca, Aerolíneas Argentinas e Gol, que concentram 80% da oferta – a não ter interesse comercial por essas rotas.

O programa brasileiro de aviação regional, coordenado pela Secretaria de Aviação Civil, será exposto na oficina do Cosiplan como uma possível baliza para a integração aérea sul-americana. Além dos investimentos em infraestrutura de 270 aeroportos regionais, o Brasil está também implementando subsídios às companhias aéreas que operem rotas regionais. “A política de aviação regional vai ao encontro do diagnóstico elaborado pelo BID. O programa brasileiro pode servir de exemplo ao resto do continente”, afirma João Batista Lanari, assessor especial de Relações Internacionais da SAC.

Rafael Massadar

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search