Filho de fundador da TAM vai deixar conselho da holding aérea

Por João José Oliveira | Valor

SÃO PAULO  –  Mauricio Rolim Amaro, presidente do conselho de administração da Latam Airlines, resultado da fusão entre a brasileira TAM e a chilena LAN, deixará o cargo.

Em carta enviada a investidores semana passada, o empresário — filho do fundador da TAM, Rolim Adolfo Amaro, que morreu em acidente de helicóptero, em 2001 — disse: “Tenho grande orgulho de ter participado da construção de uma grande companhia”, mas ponderou: “para a Latam, a renovação é a prioridade”.

Maurício Rolim Amaro continua à frente da TAM AE Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link http://www.valor.com.br/empresas/4942726/filho-de-fundador-da-tam-vai-deixar-conselho-da-holding-aerea?utm_campaign=aeroclipping_-_20_de_abril_de_2017&utm_medium=email&utm_source=RD+Station ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Valor estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do Valor (falecom@valor.com.br). Essas regras têm como objetivo proteger o investimento que o Valor faz na qualidade de seu jornalismo.

Maurício Rolim Amaro continua à frente da TAM AE

Por meio da assessoria de imprensa da família Amaro, o executivo confirmou que vai deixar o cargo, mas não deu detalhes de quando ou como fará a mudança. Ele está em Nova York, tratando de assuntos particulares, segundo informou o assessor do empresário.

A Latam tem assembleia de acionistas marcada para o próximo dia 27 de abril, semana que vem, para votar, entre outros temas, a composição do novo conselho da companhia, hoje composto por nove integrantes.

Em março de 2014, a irmã de Mauricio, Maria Cláudia Amaro — que presidiu o conselho da TAM entre 2006 e 2015 —, já havia renunciado ao cargo de conselheira da holding Latam Airlines. Na oportunidade, ela foi substituída por Henri Philippe Reichstul, ex-presidente da Petrobras.

Segundo informação do site de relações com investidores da Latam Airline, a família Amaro detém hoje 5% da holding que controla as empresas aéreas do grupo Latam no Chile, Brasil, Argentina, Peru, Equador e Colômbia, além de outras empresas, como a de fidelidade Multiplus e outras financeiras.

O maior acionista da Latam é a família chilena Cueto, com 28,3% do capital da holding. Outros investidores — entre fundos e companhias de participação — detêm 13,1%, a Qatar Airways possui 10% e investidores estrangeiros outros 10%.

Quando anunciada a fusão entre TAM e LAN, em 2010, o plano das duas empresas era uma união de iguais. O negócio foi formalizado, após as aprovações de órgãos reguladores, apenas em 2012. Desde então, a família Amaro teve a participação acionária no grupo diluída, em diversos aumentos de capital — o último deles realizado com a entrada da Qatar no grupo.

Mauricio Amaro continuará na aviação, como controlador e presidente do conselho da TAM AE, empresa de aviação executiva no Brasil, que responde no país pelas vendas da americana Textron, fabricante de aeronaves das marcas Beechcraft, Cessna e Hawker, além de prestar serviços de manutenção de aviões, taxi aéreo e apoio aeroportuário.

Mudanças na estrutura da Latam

No dia 23 de março, a Latam anunciou mudanças no organograma do grupo, afetando a administração da Latam Brasil (antiga TAM), que passará a ter um novo presidente. A partir de 2 de maio, Claudia Sender será substituída por Jerome Cadier, atual vice-presidente sênior de marketing.

A executiva brasileira continua presidindo a TAM S.A., dona da TAM Linhas Aéreas, e assumirá também o cargo de vice-presidente de clientes do grupo, uma das quatro vice presidências que ficarão imediatamente abaixo do presidente executivo da holding, Enrique Cueto, entrando na linha de sucessão da holding.

A Latam Airlines, maior grupo aéreo da América Latina, registrou em 2016 um lucro líquido de US$ 69,2 milhões, comparado a um prejuízo líquido de US$ 219,3 milhões em 2015, o que representa o primeiro resultado anual positivo da companhia desde 2011.

Já a TAM S.A registrou em 2016 um prejuízo líquido consolidado atribuído aos acionistas controladores de R$ 154,2 milhões. No ano anterior, a companhia tivera perda líquida de R$ 1,3 bilhão.

A Latam Airlines encerrou 2016 com uma dívida total de US$ 8,6 bilhões, redução de US$ 457 milhões em relação a 2015. A dívida líquida ajustada caiu de US$ 11,38 bilhões para US$ 11,1 bilhões nesse período de comparação, uma variação de 5%.

(João José Oliveira | Valor)

Recommended Posts

Start typing and press Enter to search